3 grandes momentos de ternura do Papa Francisco em 2018

Fonte: Aletéia

Os gestos de Francisco fizeram o mundo chorar de emoção
Cerca de meio milhão de pessoas participaram das audiências gerais do Papa na Praça São Pedro e na Sala Papa Paulo VI, no Vaticano, em 2018. Durante as catequeses, audiências particulares e eventos fora do Vaticano, o Papa Francisco sempre demonstrou carinho e afeto a quem precisa de um abraço ou de uma palavra de sabedoria. Relembre alguns destes momentos que marcaram o ano:

1. O Papa Francisco consola um menino em lágrimas, que pergunta: “Meu pai, ateu, está no céu?”
O mundo se comoveu diante do gesto do Papa Francisco, que consolou Emanuele, um menino de 10 anos que fez uma pergunta ao pontífice: “Meu pai, ateu, está no céu?”.

O encontro aconteceu em São Paulo da Cruz, na periferia de Roma, no dia 15 de abril de 2018. As crianças da paróquia iam fazer perguntas ao Papa, mas, quando chegou a sua vez, Emanuele não conseguiu falar e começou a chorar.

Ao ver o pranto do menino, o Papa o recebeu com um abraço e pediu com afeto que ele fizesse a sua pergunta ao seu ouvido. Francisco, em seguida, pediu permissão ao pequeno Emanuele para revelar às pessoas o que ele tinha lhe perguntado.

O papa explicou que Emanuele chorava porque seu pai tinha morrido recentemente; o menino contou que, apesar de ateu, ele o havia levado à igreja para ser batizado, assim como aos seus outros quatro filhos. E, depois de contar isso a Francisco, o pequeno perguntou ao Papa se o seu papai estava no céu.

O Papa compartilhou o relato com as pessoas ali presentes e comentou:

“Que bonito quando um filho diz que o seu papai era bom! Um bonito testemunho sobre aquele homem, quando os seus filhos podem dizer que ele era um homem bom! Se esse homem foi capaz de ter filhos assim, é verdade que era um grande homem!”

Muitos dos fiéis seguravam o nó na garganta. O Pontífice então destacou a misericórdia de Deus, “que tem um coração de papai”, inclusive em relação a esse homem que “não tinha o dom da fé, que não era crente”, mas levou “os seus filhos para serem batizados”.

E, olhando para Emanuele, disse ao menino:

“Quem diz quem vai para o céu é Deus! Mas como será o coração de Deus diante de um pai assim? (…) Será que Deus abandona os seus filhos quando eles são bons?”

E o coro dos fiéis respondeu em alta voz: “Não!”

Francisco acrescentou:

“Bom, Emanuele, esta é a resposta. Deus certamente estava orgulhoso do seu papai, porque é mais fácil batizar os filhos quando se acredita do que quando não se tem o dom da fé. E sem dúvida Deus gostou muito de ver isso”.

O Papa ainda convidou Emanuele a rezar a Deus e recordar sempre o seu papai.

2. O Papa e o menino mudo
“Desejemos um coração novo”. Foi o convite do Papa Francisco para que vivamos como crianças “livres” diante do Pai. Mas houve uma supresa na Audiência Geral quarta-de 28 de outubro de 2018: um menino argentino mudo, de sete anos, fez o Papa refletir sobre esta liberdade. Ele roubou a cena durante a catequese e encantou os fiéis e peregrinos que estavam na Sala Paulo VI, no Vaticano.

Ignorando o momento solene, o menino correu para lá e para cá enquanto o Papa falava. Depois, parou ao lado da Guarda Suíça. O garotinho se agarrou ao traje colorido dos guardas e deu várias voltas ao redor deles. Alegre e com sorriso contagiante, ele virou o centro das atenções, o protagonista absoluto da Audiência Geral.

A mãe e o pai dele explicaram que eles eram argentinos que o garoto não falava. Comovido, Francisco aproveitou o momento da bênção e da oração pelas crianças e idosos enfermos para dizer:

“Queridos irmãos, este menino é mudo. Não pode falar. Mas sabe se comunicar, sabe se expressar. E tem uma coisa que me fez pensar: ele é livre! Indisciplinadamente livre (risos e aplausos). Mas é livre… e me fez pensar: Eu também sou livre assim diante de Deus? Quando Jesus diz que temos que fazer como as crianças, ele nos diz que temos que ter a liberdade que tem uma criança diante do Pai. Creio que este garoto nos ensinou muito. E peçamos a graça de que ele possa falar! Obrigado”.

3. Noemi, a atleta que comoveu o Papa
Em audiência com a Federação Italiana de Natação, o Papa recordou e se mostrou comovido com a trágica morte da atleta Noemi Carrozza. “Rezei por ela e por sua família”, disse o pontífice em 28 de junho de 2018.

Noemi, de 20 anos,  na água, combinava natação, ginástica e dança. A atleta era uma promessa do esporte italiano, mas morreu em um acidente de moto em uma rua de Roma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *