Tu és Cristo… Tu és Pedro

29 junho 2018

Também nós somos pequenos Pedros, pequenas pedras sobre as quais é construída a grande Igreja.

A festa de hoje une as duas grandes colunas da Igreja, Pedro e Paulo, que se erguem sobre a pedra fundamental rejeitada pelos construtores: Cristo. É a festa em que todos os católicos olham para Roma, onde está Santo Padre, o Papa. É uma festa da família, em que nós podemos dizer ao Papa que o amamos e que nos sentimos amados por ele. Deixemo-nos guiar pela Palavra de Deus e veremos como a nossa vida vai mudar. A pessoa do Papa dá segurança à barca de Cristo, e Cristo é sempre o timoneiro, não importam as tempestades que atravessemos, e mesmo que Ele esteja dormindo na barca, sempre nos guiará ao porto seguro. A Igreja, em seu caminho de séculos, tem passado por momentos difíceis, mas sempre tem conseguido ultrapassá-los, porque está alicerçada não sobre convicções humanas, mas sobre a pessoa de Cristo. Renovemos hoje a nossa fé, a fé de Pedro, que diz para o Senhor: “Tu és Cristo”, e a fé de Cristo em nós, que diz: “Tu és Pedro”. Também nós somos pequenos Pedros, pequenas pedras sobre as quais é construída a grande Igreja. Que neste dia, possamos não apenas rezar pelo Papa, mas também nos perguntar como poderemos receber melhor as suas orientações e colocá-las em prática.

Levanta-te depressa

Inúmeras vezes Pedro e Paulo fizeram a experiência da prisão por amor a Cristo, mas sempre foram libertos. Deus nunca abandona os seus servos. Pedro e Paulo são modelos para todos os que querem seguir o Senhor. A Igreja e nela todos os que decidem seguir a Cristo e ser fiéis ao Senhor sabem que a cruz está presente na nossa vida. A cruz que trazemos não tanto no peito, mas nos nossos corações, é a força que não nos permite silenciar em nenhum momento. Na cadeia, Pedro provavelmente estava triste e tinha perdido a esperança de sair vivo dali, mas o anjo do Senhor o acorda, manda-o levantar e segui-lo. Quando Pedro se encontra livre, ele faz uma bela confissão de confiança e de amor na bondade do Senhor: “Agora sei, de fato, que o Senhor enviou o seu anjo para me libertar do poder de Herodes e de tudo o que o povo judeu esperava!” A liberdade verdadeira não é obra humana, mas de Deus.

A confissão de Paulo

Timóteo era jovem, meio inseguro, medroso e vacilante na sua fé. Era jovem, achava-se indigno de exercer o ministério para o qual era chamado. Paulo, experiente, vê que todo o seu trabalho não foi inútil e em vão. Como animar Timóteo? A única forma que Paulo encontrou foi contar a passagem de sua vida. Como são belas as referências pessoais de Paulo, a sua luta pelo Evangelho, a prontidão a derramar o seu sangue. Vale a pena fazer desta passagem de Paulo uma página da nossa leitura diária, e na direção espiritual, animemo-nos uns aos outros, contando as maravilhas que Deus tem feito em nós.

Tu és Cristo, Tu és Pedro

Pedro proclama o que ele descobriu: que Jesus é o Cristo, o Messias, o Filho de Deus. E Jesus afirma que aquele pescador será a pedra sobre a qual irá construir a sua Igreja e que as portas do Inferno não a destruirão jamais. Pedro confia em Cristo e Cristo confia em Pedro. Jesus se revela a quem o busca com sinceridade. Ele continua a fazer a mesma pergunta que fez aos discípulos: “Quem sou eu para o povo? Quem sou eu para você?” Devemos ser sinceros, humildes e, sem medo, reconhecer Cristo como Filho de Deus, o Messias, o Ungido, aquele que foi enviado para nos salvar. A Igreja não é um círculo fechado, a casa está sempre aberta, sem portas, para que todos possam entrar e se sentir amados. O Papa Francisco com seu jeito simples nos faz sentir alegria de ser cristãos. Cantemos a beleza de não ser peregrinos solitários, mas irmãos que têm um pastor que fala de Cristo. Papa Francisco, escutamos a sua palavra. (Por Frei Patrício Schiadini)

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *